Artigos Sem categoria

Sou um Ser Humano e exijo respeito!

Há pouco tempo decidi morar em minha propriedade rural. E aqui moram comigo oito famílias, sem considerar as existentes nos arredores. Em duas famílias, temos crianças de idades que variam entre 2 a 12 anos. Temos dois pequeninos, Carlos de 2 anos, e Manoel de 4 anos, nomes fictícios.

Diariamente, escuto os gritos das mães: “Carlos não faça isso, senão vai apanhar!”, “Manoel se subir aí você vai apanhar, seu descarado!”. E o choro desses filhos homens é uma constante.

De onde estou, fico angustiada com esses choros e a refletir como agirão no futuro Carlos e Manoel com as mulheres com as quais se relacionarem, tendo como referencia mulheres tão agressivas, e mesmo aqueles filhos que presenciam os pais baterem nas suas mães.

Os primeiros podem se “vingar” e descontar em suas companheiras todas as agressões que sofreram, penso eu. E os segundos também podem agredir as suas companheiras, pois aprenderam que mulher deve ser maltratada. Engulo seco só de pensar que esse deva ser o padrão das mulheres, principalmente na zona rural, que possuem muitos filhos como é o caso da mãe de Manoel, cujas crenças e padrões de comportamento agressivo na criação dos filhos se fixaram por várias gerações.

Enquanto cuido do machucado de Carlos aproveito para conversar com a sua mãe, que teve o seu primeiro filho aos dezoito anos. Todos os dias Cristina sai de casa, com o ônibus que vai pegar os estudantes às 18h, enfrenta 10 Km de estrada de barro péssima para chegar a cidade que fica distante da rodovia 15 Km. Quando tudo flui normalmente, retorna às 22h30, e quando não, perto da meia noite, para no dia seguinte começar tudo de novo.

Conta-me que esse ano não sabe se vai estudar, pois seu marido não quer. Durante a nossa conversa busco orientá-la principalmente com relação ao filho, de forma a deixá-lo brincar mais à vontade, sob os seus olhos observadores, para que possa desenvolver a sua interdependência sem agressões. Ela escuta e concorda comigo. Fico feliz.

No outro dia pela manhã bem cedo escuto Cristina gritar: “Carlos seu moleque, se botar na boca vou quebrar seus dentes!” Eu suspiro e de cá grito: “O que, Cristina?” E ela silencia.

De novo me pergunto, será que Cristina apanhou muito do pai e agora desconta na figura masculina do filho? Quando de fato poderemos ter homens que respeitem as mulheres e vice e versa?

Quando será que as nossas crianças, independente de serem homens ou mulheres podem chorar e expressar os seus sentimentos sem preconceitos? Sem medo de serem tolhidas?

Quando será que todos nós vamos nos responsabilizar pela educação do nosso país? E exigir respeito independente de sermos um homem ou uma mulher?

Quando será que nós, filhos da pátria, teremos uma Mãe gentil, que traga ordem e progresso para o Brasil?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: