Sem categoria

Sobre os laços humanos.

Mãos

Assisti essa semana um vídeo com o sociólogo polonês Zygmunt Bauman, em que ele nos convida a refletir sobre as redes sociais e a dificuldade em se firmar laços humanos. Onde criamos a ilusão de que temos milhões de amigos e vivemos em uma crescente solidão. Onde nos conectamos e desconectamos com um simples clicar de teclas dada a dificuldade de interagir, de aceitar formas de pensar diferente e sustentar as relações.

Tenho o mesmo sentimento que ele e posso reconhecer que as redes sociais também possuem uma série de benefícios. Nos ajuda a encontrar velhos colegas de escola, trabalho, ex-amores, pessoas diversas de quem perdemos o contato, cursos, eventos, dentre outros.

O fato é que também percebo uma certa volatilidade nas relações que se estabelecem no mundo moderno. Uma busca incessante em encontrar alguém que supra as suas demandas sem perceber que a fonte está dentro de si. A busca lá fora nos impede de olhar para dentro. De estabelecer uma conexão consigo e com o que precisa ser visto para que os laços humanos se fortaleçam.

Enquanto nos desconectamos do nosso vazio e deixamos de preenche-lo com aquilo que há de mais precioso em nós,vamos ficar nesse movimento de clicks, conectando e desconectando, até que o interruptor quebre ou a luz vá esmorecendo.

Onde estão e quem são os nossos verdadeiros amigos? Como estamos tecendo os nossos laços de amizades e o quanto estamos sendo cuidadosos com eles?

Certa feita ouvi de alguém que iria desfazer a sua amizade por que soube que a amiga havia se envolvido com um homem casado. Ou por que o amigo estava se envolvendo com um outro garoto. É a vida que vai nos ensinando a trilhar um caminho que nos faça feliz.O outro nos instiga a todo momento a rever crenças e padrões pré-estabelecidos.E tudo isso é muitoé desafiante, traz desconfortos e ao mesmo tempo nos abre várias possibilidades.

O que mesmo fundamenta as nossas relações e fortalecem os nossos laços de amizade? No meu entendimento a amizade carece de aceitação e se despe de preconceitos e julgamentos.

Uma amizade nem sempre é suave, cheia de glamour, de amor, de paz. Às vezes vem um terremoto que passa e que parece que vem destruir tudo e no fundo vem apenas nos alertar sobre algo, contribuir para que crenças sejam resignificadas e uma hora tudo passa e volta ao normal.

A amizade é feita de presença mesmo na ausência. De desentendimentos e desconfortos. Exige confronto e confiança de que mesmo que o outro pense diferente de você, que não incentiva determinadas escolhas, que faça escolhas diferentes da sua, você permanece ali. Pode ser junto ou a distância, sem medo de críticas, abandono ou rejeição.

A amizade nos ajuda a firmar laços humanos. A partir da minha relação com o outro posso expandir e olhar para a minha relação com os outros e com a humanidade. Os laços com a humanidade se constroem a partir do Eu, do Eu com o Outro e com os Outros. Assim passamos de laços a Nós apertados e estreitos.

Enquanto eu me perceber diferente e distante dos Nós eles se afrouxam. Os laços se fortalecem quando os Nós se apertam. Quando nos desentendemos, repensamos e reconstruímos novamente de forma mais sólida a nossa relação. Quando percebemos que o afeto a compaixão e amor é que nos une.

A humanidade é o húmus da nossa existência. É a matéria orgânica que dá a liga, que simbolicamente nos convida a perceber que para firmarmos laços humanos é necessário fortalecermos os Nós.

Nós somos UM!

Artigo publicado no jornal Diário de Ilhéus em 22/06/2018 e revisto para o blog.

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s