Artigos Sem categoria

Quando se corta o fio da Vida!

life-3089646_1920
Não questionamos a existência da morte. Um dia ela bate em nossa porta e o máximo que pode acontecer é pedirmos a ela que aguarde mais um pouco e será do nosso merecimento ou não ter este pedido atendido.

E quando batemos na porta da morte e entramos sem aviso-prévio e deixamos sem chão os nossos entes queridos? O que pode estar por trás deste corte brutal do fio da vida?

Na visão sistêmica, sob o olhar do nosso mestre Bert Hellinger, um dos criadores da Constelação Familiar, por traz do suicídio há sempre uma dinâmica ligada aos nossos antepassados. E este entendimento contribui para olharmos com menos medo e com mais amor, para quem está nesta intenção.

Segundo as suas observações, ao longo de mais de 30 anos pesquisando os sistemas familiares, quem tenta o suicídio deseja seguir, em lugar de outra pessoa, alguém que já morreu ou também já cometeu um suicídio. E por mais difícil que seja acreditar, o suicídio está ligado ao Amor. Amor a quem foi ou a quem ficou. É sempre bom observar esta dinâmica se você tem algum familiar nesta condição. Internamente a fala de quem deseja cometer o suicídio é “Eu sigo você” ou “Antes eu do que você”.

A Constelação Familiar é um bom recurso para olharmos para estas dinâmicas e ajudar a recolocar a pessoa que tenta o suicídio no lugar que lhe pertence.
Algumas vezes o risco de suicídio está relacionado com a necessidade de se expiar por uma culpa, por exemplo, um aborto provocado ou a entrega de um filho para adoção. Para compensar a culpa, se paga com danos próprios pelos prejuízos causados a outros. Assim, “ameniza-se” a culpa com a expiação para restituir o equilíbrio.

As dores e o sentimento de culpa ficam com quem acredita que poderia ter impedido o suicídio e se sente ainda incapaz de respeitar a decisão e o destino de quem cometeu esse corte com a vida. É preciso desenvolver a consciência de que nem sempre é possível fazer algo, e tudo o que fizermos para acolher este Ser com todo o amor e com escuta amenizará a sua dor.

Em artigo anterior já comentei que acessamos a dor dos nossos ancestrais pela ressonância de campos mórficos, conceito trazido pelo biólogo e filósofo da natureza chamado Rupert Sheldrake, onde cada espécie animal, vegetal ou mineral possui uma memória coletiva a qual contribui todos os membros da espécie a qual formam.
Cada um de nós, traz a memória não só da história da Humanidade, como também a memória familiar, tendo ou não convivido no mesmo espaço ou tempo. Podemos observar padrões que se repetem nas famílias como, por exemplo, um avô que se suicidou, filho e neto perpetuando um movimento.

Ter o conhecimento desta dinâmica, aliada a uma escuta amorosa e sem julgamentos, faz uma grande diferença para o processo de ajuda daqueles que, em algum momento, se sentem fragilizados e incapazes de sustentar a vida, trazendo movimentos para que esses padrões sejam interrompidos para as futuras gerações.
Hoje temos o CVV – Centro de Valorização da Vida que, de forma voluntária e gratuita, realiza 24 horas, todos os dias, pelo telefone 180, email ou chat, apoio emocional e prevenção do suicídio, a todos que querem e precisam conversar. Os usuários podem contar com total sigilo.

Como diz o Jota Quest, viver tudo que a vida tem prá te dar, saber, que em qualquer segundo tudo pode mudar. Podemos fazer sem esperar nada em troca e acreditar no sorriso sem se dar por vencido porque daqui só se leva o amor!

Artigo publicado no jornal Diário de Ilhéus em 26 de setembro e no blog do Thame

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s