Sem categoria

“Não vim trazer a paz, mas a divisão”

15578545_10211746050554648_2667486744149108036_n

“Não pensem que Eu vim trazer a paz para a Terra. Eu não vim trazer a paz, mas sim a espada. Eu vim separar o filho de seu pai, a filha de sua mãe e a nora de sua sogra. E o homem terá como inimigos aqueles que moram em sua própria casa. (Matues, 10:34 a 36)
Permitam-me ter autonomia e liberdade para dar uma das possíveis interpretações desta citação, muitas vezes desafiante com relação ao seu entendimento. E penso que cada qual deve aceitar e compreender da forma que lhe for mais conveniente.
Jung quando trouxe o conceito de individuação se referia ao processo de nos tornarmos uma personalidade unificada, um sujeito uno, indivisível e integrado. E este processo acontece ao longo da nossa vida quando aos poucos vamos integrando a nossa sombra e ampliando a nossa consciência sobre as nossas questões internas ainda mal resolvidas.
E esta tarefa é uma tarefa árdua, que exige persistência, paciência, muita resiliência, aceitação e humildade. Podemos envelhecer, sermos bem-sucedidos e ainda assim vivermos de uma forma superficial, completamente inconsciente de quem de fato somos.
Separar o filho do pai, a filha da mãe e a nora da sogra, observando do ponto de vista da psicologia, diz respeito ao processo de construção do sujeito. Cortar o cordão umbilical e se compreender como uma pessoa única com desejos, aspirações próprias, tornando-se ao longo da vida o que potencialmente é, cada vez mais de forma profunda e consciente.
Eu não sou meu pai, não sou minha mãe e não sou a mãe do meu marido. Trago aspectos da minha ancestralidade e tenho a minha individualidade. Eu sou eu. E o ingrediente para que esta separação seja feita de forma construtiva e madura é o AMOR.
Moisés trouxe a justiça, Jesus trouxe o amor e enquanto o amor, principalmente o amor próprio, não prevalecer, teremos dificuldades para disseminá-lo. E para que isto seja possível é muito importante a busca do autoconhecimento e aceitação de si.
Esta conquista é útil para evitarmos viver em busca de compensações, que é a forma que o nosso inconsciente encontra para compensar o nosso ego de diversas maneiras, que pode ser por esquecimentos, envolvimento amorosos, desastres, noções levianas, dentre outras e até a identificação de um herói que possa ser a salvação para as nossas próprias mazelas.
O homem terá como inimigo aquele que mora em sua própria casa. E esta casa é o seu SER. Nós lutaremos contra a nossa agressividade, a nossa maldade, a nossa inveja, a nossa vaidade, o nosso medo, a nossa crueldade para vencermos a nós mesmos. Estes são os nossos verdadeiros inimigos. Eles estão dentro de nós e não fora.
Enquanto desejarmos nos distanciar de nós e negarmos a nossa sombra, vamos projetá-la no outro e solicitar a alguém que represente esta agressividade, essa maldade e crueldade que está dentro de nós.
Quando reconhecermos e integrarmos todos estes aspectos em nós, e reverenciá-los, podemos assim desenvolver o auto respeito e o respeito pelo próximo. Desta forma a verdade nos libertará. A nossa verdade e não uma verdade travestida de mentira.
Quero crer que todo este processo que estamos vivenciando na atualidade, de divisões, separações, desavenças faça parte do caminho de construção da individuação.

Publicado no jornal Diário de Ilhéus em 20/10/2018 e no blog do Thame em http://www.blogdothame.blog.br/v1/2018/10/20/nao-vim-trazer-a-paz-mas-a-divisao/#more-82629

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s