Artigos destaque

Meu pai, minha mãe e Eu!

Nesta vida,  as primeiras pessoas que encontramos são os nossos pais. São as nossas referências mais concretas. Mesmo aqueles que não tiveram a oportunidade de conhece-los, e me refiro às pessoas que sentiram a dor de perder sua mãe, durante o seu próprio parto, ou o seu pai quando estavam sendo gerados.

Eles são os nossos referenciais e estas referências se potencializam com as daqueles que fizeram parte do nosso processo evolutivo, principalmente durante a infância.

A partir da convivência com os nossos pais, por meio de histórias que nos contam sobre eles,  ou por aqueles que nos criaram, buscamos algo que nos estruture e nos oriente para seguir um caminho. Isto nos dá conforto, segurança, e assim nós seremos aceitos e pertencentes a uma comunidade.

À medida que vamos seguindo o caminho destas pessoas, muitas vezes, nos identificamos com este caminho e outras vezes não. Pois, ao longo da caminhada vamos crescendo, observando e experimentando novas vivências que contribuem para alterarmos crenças consideradas como absolutamente verdadeiras.

E por um longo período das nossas vidas, e muitos até o findar da vida, acreditamos que esta identificação com os nossos pais e/ou aqueles que nos criaram é eterna.

E observo uma tendência natural das pessoas em justificarem as suas ações e formas de pensar como uma herança fatal: “eu sou assim, porque meus pais eram assim, porque a pessoa por quem fui criada era assim”. “Agora eu entendo porque ajo assim. Porque meus pais ou quem me criou, agiam assim também.”

Acho muito importante este entendimento e digo sempre que a palavra porque, existe para justificar e nos prender em algum lugar do passado. Gosto muito da palavra para quê, pois nos leva a uma reflexão e uma mudança de atitude.

Quando justificamos a nossa forma de pensar, de ser e de agir em função das ações de outras pessoas, principalmente dos nossos pais, apontamos o dedos para eles sem pensar nas experiências dolorosas pelas quais passaram ao longo das suas vidas, depositamos neles a responsabilidade por alterar algo em nós que só nós somos capazes de fazer e os excluímos, gerando vários níveis de desordem.

E, somos capazes de alterar isto, quando percebemos que o caminho que eles escolheram como marido e mulher e que se tornaram pais em algum momento ou não, não é o melhor caminho para nós.

Quando podemos olhar para este caminho, somos capazes de honrar a sua importância em nossa vida e ter autonomia para escolher um outro caminho.

Seremos capazes de alterar este caminho, quando tivermos claro na nossa família qual é o nosso papel: Sou marido ou mulher? Sou pai ou mãe? Ou sou filha ou filho? Parece uma coisa simples, e no entanto muito significativa e complexa. Pois, os emaranhados acontecem por conta desta falta de clareza.

Uma mulher que se coloca no papel de mãe do  marido ou o marido que se coloca no lugar de pai da mulher, vai deixar o seu lugar vago para uma outra pessoa assumir . Uma filha ou filho que assume o lugar de pai ou mãe dos seus pais, vai excluir um dos dois e vai se perder no caminho buscando entender quem é quem.

Se desejamos evoluir e transformar algo, é importante em cada momento das nossas vidas termos a clareza de que papel assumimos, principalmente em nossa família. Para que ela cresça saudável e a nossa vida flua.

É natural que até os três anos de idade uma criança se identifique com os pais e a partir disso ela inicie o processo de construção da sua auto-imagem, e que, em sua grande maioria, é uma auto-imagem idealizada em função da necessidade de ser amada e aceita pela família.

Em nossa fase adulta é importante acolhermos a nossa criança, que deseja permanecer criança, e falarmos para ela que crescemos. Que somos adultos e somos livres para escolher os nossos caminhos e assumir a nossa responsabilidade pelas escolhas feitas.

É importante compreendermos que os nossos pais fizeram as escolhas deles, respeitá-las e seguir honrando-os sempre por nos conceberem a possibilidade de estarmos vivos e fazermos diferente.

Precisamos aprender que  pai é pai,  mãe é mãe e EU SOU EU!

Artigo publicado no jornal Diário de Ilhéus em 25/10/2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: