Artigos

Ser ou Ter?

Imagem de Terri Cnudde por Pixabay

Ainda não sabemos como será o nosso futuro e sem chance de errar penso que será muito diferente do que é hoje. O mundo inteiro está se mobilizando para salvar vidas. Bancos  e instituições efetuando doações bilionárias  e mobilizando especialistas para traçarem boas estratégias de combate ao coronavirus.

Nos meus quase sessenta anos de vida nunca vi isto. Agora estamos pensando e repensando em novas formas de fazer e de viver. Estamos pensando, ou se ainda não estamos pensando, vamos começar a pensar no que quero, no que tenho no que de fato preciso.

A economista britânica Kate Raworth, do Instituto de Mudança Ambiental da Universidade de Oxford, já está se mobilizando para a reconstrução de Amsterdam em um mundo pós-Covid-19. A proposta da economista, e que deveria ser seguida por todos os países, é que deve-se estabelecer limites para que a espécie humana não cause danos ao clima, solos, oceanos, enfim à biodiversidade.

Segundo Raworth é  preciso alinhar a necessidade de todos com a capacidade do planeta em suprir estas necessidades. É preciso parar de crescer e começarmos a prosperar. E, segundo ela, prosperar significa que o nosso bem-estar deve estar em  equilíbrio com a saúde planetária.

A hora é esta. De caminharmos para sermos abundantes. De todos vivermos com dignidade e para isto será necessário olharmos para o tamanho das nossas pernas, que caminho seguiremos, sem tanta correria e com foco no que de fato importa.

O ser humano precisa ser humano. Precisa pensar no valor de 100 pares de sapatos e no preço que todos pagamos com  milhões de crianças descalças e sem ter o básico para comer. Precisa repensar o seu consumo desmedido.

Precisamos enxergar que as discrepâncias são muitas e chegamos ao limite. Então, pare e fique em casa para repensar a vida e os seus valores. Pare para pensar naquilo que realmente importa e deve-se dar valor: à vida. Com vida refazemos tudo, sem vida viramos defunto.

É de fundamental importância, neste momento, respeitarmos as regras: ficarmos em casa; usar máscara, usar álcool gel,  quando for necessário ,sair para fazer algo imprescindível para a vida, como comprar alimentos e muitos trabalharem para garantir as nossas necessidades básicas.

Não há, ainda, nenhuma forma de se combater o vírus para que a população possa circular com tranquilidade; faltam testes em grandes volumes para se detectar a contaminação e o grau de contaminação é elevadíssimo.

Além disso, falta infra-estrutura em nossos hospitais, a quantidade de leitos é insuficiente para atender a população em caso de uma contaminação em massa.

Ficando em casa cada um de nós contribui para que o menor número de pessoas se contamine e os pesquisadores ganhem tempo para identificar um medicamento que seja eficaz no combate ao coronavirus.

Ficar em casa significa preservar vidas e compreender que é melhor ser do que ter um computador, ter liberdade, ter um carro, ter uma casa de praia.

Ficar em casa, neste momento, é também abrir mão do que tem para ajudar aqueles que estão sem, principalmente sem alimentos para manter a vida.

Agora, também,  é o momento de pensarmos em como vamos alterar os nossos hábitos de consumo, reduzir o lixo para limpar o planeta , para que possamos respirar melhor e atendermos ao chamado de Gandhi, sendo de fato a mudança que desejamos ver no mundo.

Podemos ser e ter aquilo que é suficiente para que todos vivam bem!

Artigo publicado no jornal Diário de Ilhéus em 17/04/2020.

Eulina M. Lavigne é mãe de três filhos, terapeuta clinica, consteladora familiar, especialista em traumas e agricultora.

um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: