Sem categoria

CoOperar

Este mês levantamos voo. Um voo ensinado pelas maritacas. Voamos juntos, voamos com movimentos cadenciados e afinados. Tão afinados que o movimento Preserva Ilhéus alcançou mais de vinte mil assinaturas na petição com uma série de demandas.

Estamos aprendendo que podemos operar juntos. Estamos aprendendo na prática a cooperar e resgatar o sentido de pertencimento.  

Acordamos juntos e, de olhos bem abertos, começamos a ver quantas coisas deixamos de fazer pela nossa cidade. Como abandonamos a nossa casa e deixamos o prefeito praticamente sozinho neste cuidar.

Entendemos que assim fica muito pesado para ele, junto com a sua equipe dar conta de todas as demandas. Então, quem deve ajudá-lo neste processo de gestão é a população. A população precisa se fazer presente quando é convidada a participar das reuniões do Conselho Municipal, do Meio Ambiente, do Conselho de Saúde, Educação e por aí vai.

Eu costumo dizer que quando deixamos uma pessoa cuidando da nossa casa e nunca mais aparecemos, essa casa deixa de ser nossa, pois quem cuida dela se acha no direito de fazer o que entende ser o melhor, e normalmente para sí e não para todos, pois é mesmo um desafio agradar a gregos e troianos.  

A pessoa designada a cuidar da casa muda os móveis do lugar, deixa de se preocupar com a limpeza, vende os móveis quando precisa de dinheiro, enfim, “toma conta do pedaço” e passa a entender que o mesmo lhe pertence.

Assim é com a cidade a qual nos sentimos pertencentes ou vinculados. Fica bem cuidada quando acompanhamos tudo que acontece com ela. E é impossível fazermos isto sozinhos dada as suas proporções.

E é exatamente isto que vinha acontecendo com a nossa linda Ilhéus. Quando nós, representantes da Sociedade Civil, deixamos de ocupar os espaços de governanças, os poucos que nos representam se tornam minorias e assim vamos perdendo o nosso poder de expressar o que vem a ser uma cidade harmoniosa, que preserva a natureza, o bem estar dos seus moradores e de fato olhar para o futuro das gerações vindouras.

Se você cidadão, se percebe parte do processo de construção do local onde vive e deixa claro para os gestores de que forma deseja o seu futuro e das suas gerações, o entendimento fica mais fácil. E o senso de responsabilidade se faz presente em todos, pois todos participam.

E assim deixamos de responsabilizar o prefeito, o secretário, o poder legistlativo e quem achar pela frente.

É mais fácil apontar o dedo para o outro do que para si.

E os gritos das maritacas nos ensinaram que primeiro o dedo precisa ser apontado para nós. O que estamos fazendo pelo lugar onde moramos?

Como desejamos este futuro para os nossos netos?

Pensando juntos podemos coOperar, operarmos juntos, com os gestores e construir juntos a Ilhéus que queremos nos seus 500 anos.

Desafio lançado!

Artigo publicado no Jornal Diário de Ilhéus em 24/07/2020

Eulina Menezes Lavigne é mãe de três filhos, escritora, poetisa, administradora, empreendedora social, terapeuta clínica, consteladora familiar há 16 anos, trabalha com trauma utilizando a técnica, naturalista e psicobiológica, SE – Experiência Somática.

Para entrar em contato clique no link abaixo:

http://bit.ly/WhatsEulina

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: